3 métricas que indicam que o bitcoin já chegou ao fundo do poço

Como resultado do mercado de criptomoedas em queda, surgiu novamente o tema sobre a morte do bitcoin. Afinal, a criptomoeda corrigiu cerca de 37% apenas nos últimos sete dias. 

Fato é que, desde o final de 2021, os investidores da criptomoeda estão passando por um momento turbulento. 

Mas o caso não seria analisar se esse é o estágio para realizar sua esperada compra barata de BTC ao invés de entrar em pânico?

Lembrando que esse artigo não é uma dica de investimento. 

O que vamos fazer agora é analisar as métricas on-chain do ativo blockchain para vermos se ele chegou na zona de compra ou se ainda podemos esperar mais quedas. 

Para isso, vamos utilizar os dados do Cointelegraph que apontam a ação atual do preço do bitcoin e se o mercado em alta de 2021 foi o último pedaço dos touros do BTC. 

Média Móvel

Uma métrica bem utilizada para analisar o preço do bitcoin é a média móvel de 200 semanas. 

Em suma, essa métrica é um importante indicador da categoria dos rastreadores de tendência. Ela mede o valor médio do preço e do volume de determinado ativo. 

Esse indicador consagrado no mundo do trading, no decorrer da história do BTC,  funcionou como um nível sólido de suporte para a criptomoeda, fato esse que pode ser observado no gráfico abaixo compartilhado pelo analista Rekt Capital.

As baixas estabelecidas, área destacada pelos círculos verdes,  ocorreram próximas ao 200-MA, momento de suporte importante para o BTC. 

Ao chegar nesse nível, a criptomoeda tende a cair um pouco abaixo da métrica para depois voltar  acima da 200-MA. Fazendo esse movimento, o ativo digital costuma abandonar o mercado de ursos. 

Mas o que podemos tirar desse movimento?

Em 14 de junho, o BTC caiu  abaixo da métrica durante a liquidação diária e isso pode indicar mais uma pernada de baixa. 

No entanto, se olharmos a história, veremos que o preço pode não cair muito abaixo desse nível por um tempo prolongado.

Preços plurianuais

Agora chegou o momento de analisar o preço do BTC nos últimos anos. 

Em 2020 foi a última vez que vimos a criptomoeda ser negociada abaixo de US$24.000. No mesmo ano, US$21.900 atuou como suporte para o BTC.

Logo após passar por esse momento de turbulência, o criptoativo chegou a marca de US$41.000. 

Olhando para o movimento anterior, podemos esperar que o BTC seja trocado de mãos entre US$19.900 e US$16.500. 

MVRV

Fechando a lista de três fatores apresentados pelo Cointelegraph está o MVRV. 

De acordo com o valor de mercado para valor realizado, o BTC está chegando perto da fase de acumulação, pois o MVRV está em 0,969.

Conforme observado no gráfico acima, durante a maior parte dos últimos quatro anos a pontuação do BTC estava acima do valor de 1. Dessa forma, em apenas dois momentos vimos condições de baixa e acumulação do mercado. 

O primeiro estágio foi no mercado de baixa de 2018 a 2019, onde a métrica atingiu uma  baixa de 0,6992. Nessa etapa, ela demorou 133 dias para voltar a 1.

Já em  março de 2020, a pontuação chegou a 0,85 e o mercado teve que esperar sete dias para que o 1 fosse visto novamente.

Apesar de os fatores indicarem que o pior já passou, é importante ter cautela, pois nem sempre o que ocorreu no passado vai indicar comportamentos futuros. 

Leia também: Criador da Cardano responde a pergunta sobre sua afirmação de ser Satoshi Nakamoto

Kamoney
A forma mais prática de utilizar suas criptomoedas no dia a dia. Acesse agora https://www.kamoney.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *