Cardano com foco no DeFi e Contratos Inteligentes

Por certo que a Cardano conseguiu mostrar mais descentralização com a fase Shelley. Com a era atual, os pools de participações já estão assumindo 24% da produção do bloco, enquanto 76% é validado pelos nós federados da IOHK. Além disso, a IOHK implementará a governança peer-to-peer para Cardano este mês. Como resultado, o desempenho e a descentralização serão melhorados. 

“Isso melhorará consideravelmente o desempenho em certos aspectos. […] E também é uma rede totalmente descentralizada quando você não está mais usando relays de operadores de pool de apostas ou de nós”, disse Charles Hoskinson.

Ademais, os portfólios das delegações e guilds de staking já estão em discussão durante a era Shelley. A principal prioridade, no entanto, de acordo com Hoskinson, atualmente é a delegação “one-to-many”, com implementação “as soon as possible”. Paralelamente, as equipes do Goguen estão trabalhando em um rollout de 3 fases, consistindo nos ativos nativos, as bases Plutus e, na fase final, o Plutus Application Framework.

“As fundações Plutus são como JVM vs. Java, são as fundações básicas, o núcleo de uma linguagem, então você pode escrever uma montagem e as representações de nível superior dela. Você será capaz de escrever contratos inteligentes, mas isso não será muito amigável. Mas você precisa ter a JVM para ter Java. […] Portanto, faz sentido implantar primeiro e, em seguida, colocar em cima a bela experiência de desenvolvimento”.

Conforme observado por Hoskinson, a IOHK desenvolverá uma DSL (Domain Specific Language) para especificação de contrato inteligente. Ou seja, os desenvolvedores terão a opção de um contrato inteligente certificado, pois eles serão capazes de combinar o design e a implementação e, assim, poder provar que a implementação está correta em comparação com o design. De acordo com Hoskinson, isso já foi feito várias vezes, por exemplo, através de tokens certificados ERC20. No entanto, existem atualmente alguns desafios:

“Geralmente é muito difícil porque as ferramentas não são tão boas, exigem muito conhecimento de domínio e são muito pesadas. Portanto, há muita discussão sobre como construímos uma especificação de DSL leve que pode ficar em sintonia com o seu contrato e, em seguida, você pode verificar as propriedades sobre ele. Para verificação do modelo e verificação rápida […] para verificar se o seu contrato está certo”.

Segundo Hoskinson, isso acontecerá independentemente de Marlowe, linguagem para contratos inteligentes já desenvolvida pela IOHK.

O foco da Cardano no DeFi

Hoskinson também admitiu que investiu muito tempo no tópico de finanças descentralizadas.

“A realidade é que a vantagem do pioneiro é na verdade uma desvantagem no DeFi. Esses efeitos de rede costumam ser cobertos por erros, cicatrizes e explosões. Você realmente quer ser o imitador, na categoria de segundo movimento para DeFi e […] haverá um êxodo em massa porque essas arquiteturas e projetos de primeiro movimento são muito inflexíveis e a Cardano é muito mais adequada como plataforma”.

Além do planejamento, o CEO da IOHK referiu-se à parceria com a Emurgo, que visa desenvolver uma stablecoin para o ecossistema Cardano. Isso deve ser testado primeiro no blockchain Ergo e depois migrado para o ecossistema Cardano.

“Esta será uma stablecoin algorítmico. Achamos que será significativamente melhor do que MakerDAO. Essa é apenas uma das muitas coisas DeFi que estão acontecendo agora. Mas não vamos anunciar nada disso até um pouco mais tarde”.
Kamoney
A forma mais prática de utilizar suas criptomoedas no dia a dia. Acesse agora https://www.kamoney.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *