USDC se aproxima da capitalização do USDT. E o fim da stablecoin da Tether?

Apesar de ser a principal stablecoin do mercado de criptomoedas, o USDT tem passado por momentos difíceis desde o colapso do UST. 

O “ativo estável” da Tether perdeu seu peg com o dólar americano em 5 de junho de 2022 e, desde então, não conseguiu voltar ao patamar de 1:1 com a moeda dos Estados Unidos. 

 Os dados on-chain também mostram como os investidores estão fugindo da stablecoin. 

Como resultado desse movimento, o USDT perdeu participação de mercado significativa em meio a uma série de correções de mercado.

No momento da escrita do artigo, a altcoin conta com uma capitalização de US$68 bilhões. Esse valor é a menor representação do token desde outubro de 2021.   

Além disso, os dados do CoinGecko apontam que o USDT perdeu cerca de US$4 bilhões desde 14 de junho.

Esses movimentos ocorreram mesmo com a Tether afirmando que a stablecoin não é amplamente apoiada por papéis comerciais chineses e asiáticos.

Mas para onde estão indo os investidores do USDT?

Logo após a queda do USDT para US$0.95, o mercado blockchain e os investidores mais conservadores decidiram buscar refúgio em uma stablecoin com mais estabilidade. 

A busca chegou no USDC, um dos principais rivais do ativo da Tether, que apesar da queda da stablecoin mais antiga, o caminho de ascensão do USDC prosseguiu. 

Na primeira semana de março de 2022, a stablecoin da Circle passou por volatilidades que resultaram na perda do peg com o dólar americano. No entanto, em meados de maio, o ativo digital conseguiu se recuperar. 

Um dos pontos que comprova esse fator é que o USDC se tornou a stablecoin de escolha no blockchain Ethereum.

Também é importante apontar que a capitalização do USDC subiu nos últimos sete dias, deixando o token na posição de quarto maior ativo por valor de mercado com um markecap de US$55 bilhões.

Contudo, a movimentação de mercado do USDC ainda é muito menor que a do USDT. 

A stablecoin da Tether conta com uma vantagem de US$54 bilhões contra a stablecoin da Circle. 

Mas como anda o mercado das stablecoin?

Embora o crescimento do USDC seja impressionante e os demais ativos atrelados ao dólar americano estejam consumindo a participação do USDT, pela primeira vez na história, a coisa não anda nada bem nesse setor.

Só para exemplificar,  a oferta total das stablecoins caiu acentuadamente no segundo trimestre de 2022.

De acordo com Lucas Nuzzi, chefe de pesquisa e desenvolvimento da CoinMetrics, os resgates de stablecoins aumentaram devido à liquidez de curto prazo e preocupações com insolvência.

Nesse cenário, o grande perdedor foi o USDT, que testemunhou resgates de  7 bilhões de sua oferta apenas em maio. 

Leia também: 3 métricas que indicam que o bitcoin já chegou ao fundo do poço

Kamoney
A forma mais prática de utilizar suas criptomoedas no dia a dia. Acesse agora https://www.kamoney.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *