Veja como a Binance Smart Chain pode vencer o Ethereum

Uma das exchanges de criptoativos mais famosas anunciou o lançamento da Binance Chain, sua própria blockchain. O principal objetivo era construir um banco de dados rápido e que pudesse lidar com um alto volume de transações.

A Binance Chain usou o modelo de consenso Tendermint que é um protocolo parcialmente sincronizado e derivado do algoritmo. Ele é notável por sua simplicidade e desempenho. Ao invés de promover vários aplicativos, eles optaram por confiar em seu produto principal, o Binance DEX.

A Binance descobriu que a única coisa que faltava em sua blockchain, era o potencial para executar contratos inteligentes e permitir que outras equipes implantassem seus próprios aplicativos, depois que o financiamento descentralizado no Ethereum e na Binance DEX falharam em ganhar impulso como previsto. Nesse momento, a Binance tomou uma decisão interessante.

Em vez de tentar aplicar recursos de contrato inteligente à Binance Chain e, ao mesmo tempo, colocar em risco seu sucesso, eles queriam iniciar uma cadeia separada em paralelo, que é onde entra a Binance Smart Chain. Ao contrário da Binance Chain, a Binance Smart Chain era inteiramente programável e adotou contratos inteligentes quando foi lançada em setembro de 2020.

Desenvolvimento rápido

O desenvolvimento de uma plataforma de contrato inteligente totalmente nova, exige anos de esforço e testes. Em vez disso, a Binance queria aproveitar a experiência dos usuários e desenvolvedores do Ethereum com a plataforma e fazer um fork, ou seja, uma atualização.

É óbvio que uma divisão da antiga versão com a nova sem fazer nenhuma melhoria, não é uma boa idéia. Por isso, a Binance optou por sacrificar as propriedades de descentralização e resistência à censura da rede para configurar a cadeia atual para taxas mais baixas e com mais agilidade nas transações.

Isso foi conseguido mudando o modelo de consenso de Prova de Trabalho para o modelo de consenso de Prova de Autoridade Staked e modificando alguns outros fatores, incluindo tempo de bloqueio e limite de gás por bloco. Todas as transações neste modelo são autenticadas por um grupo conhecido como validadores.

Os validadores podem ser ativos ou passivos. Apenas os ativos são capazes de validar transações. O número de validadores ativos é restrito a 21. O número de tokens BNB mantidos por validadores ativos é calculado, classificando todos os validadores. Uma vez por dia, os 21 principais se envolvem e trocam os blocos de validação entre si.

A lista de todos os validadores é mantida e separada na Binance Chain. Os validadores podem permitir que os titulares do BNB atribuam seus tokens a eles em troca de uma parte das taxas de transação do validador, além de receberem os próprios tokens do BNB. Ambos os custos de transação na Binance Smart Chain são cobrados em BNB, que é o token nativo da rede.

Ao contrário do Ethereum e do Bitcoin, na Binance não há recompensa subsidiárias em bloco. Isso significa que os validadores irão cobrar as taxas de transação do BNB sem outras recompensas definidas por bloco.

Tempo de bloqueio e rendimento das transações

Na Binance Smart Chain, o tempo de bloqueio foi reduzido cerca de 13 segundos e no Ethereum cerca de 3 segundos. Melhor rendimento da transação e tempos de validação mais rápidos são obtidos as custas da necessidade de armazenar mais dados.

Se introduzido no Ethereum, ele maximizaria o número de blocos órfãos porque não haveria tempo suficiente para espalhar os blocos legítimos pela rede a partir de várias localizações geográficas. Este não é um problema para Binance Smart Chain, visto que os validadores se revezam para validar as cadeias.

Outro elemento chave é o limite de gás do bloco. Este elemento determina quantas transações podem ser armazenadas em um único bloco do Ethereum. Os mineradores devem chegar a um acordo e determinar o valor que desejam definir. Limites de gas de bloqueios aumentados, incluindo tempos de bloqueio reduzidos, aumentam o volume de dados gerados pela blockchain, dificultando para usuários individuais executarem seus próprios nós.

Conforme o estado da blockchain se expande acima do que o hardware de nível de mercado pode acomodar, os 21 validadores podem simplesmente executar seus nós em hardware de nível institucional, o que não é um desafio na Binance Smart Chain.

No Ethereum, o limite de gas para um bloco está definido em 12,5 milhões de gas, enquanto na Binance é definido em 30 milhões de gas.

Binance Smart Chain e CeDeFi

Como todos sabemos, DeFi significa Finanças Descentralizadas. Já a CeFi significa exatamente o oposto, Finanças Centralizadas.

CeDeFi é um termo criado pelo CEO da Binance para representar uma combinação de finanças centralizadas e descentralizadas, das quais a Binance Smart Chain é um excelente exemplo.

O CeDeFi incentiva os usuários a experimentar o DeFi sem ter que pagar altas taxas de transação. Os usuários poderão usar uma variedade de protocolos DeFi, incluindo exchanges descentralizadas, protocolos de empréstimos, agregadores de liquidez, ferramentas agricultura e outros. Ele também permite que novas equipes criem contratos inteligentes por uma fração do custo de fazê-lo no blockchain do Ethereum.

Binance Smart Chain e CeDeFi recentemente ganharam muito ímpeto, devido aos altos custos de transação no Ethereum. A Binance ganhou muito impulso e atraiu um grande número de usuários e volume de negócios em um curto período.

Leia também: Saiba o que o bilionário Mark Cuban pensa a respeito do Bitcoin, Ethereum e Dogecoin

Kamoney
A forma mais prática de utilizar suas criptomoedas no dia a dia. Acesse agora https://www.kamoney.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *